Breaking

Vídeo: Mulher causa alvoroço ao andar e dançar sem roupas em praia lotada

 




Através das redes sociais, vídeos de uma mulher que gerou polêmica em Taganga começaram a circular. Completamente nua, de acordo com o que pode ser visto nas imagens gravadas pelos cidadãos, a mulher caminhava e dançava. Em um dos vídeos, a mulher é vista caminhando pela praia à vista de todos, enquanto nos outros dois clipes ela é vista dançando sozinha e com um homem. De acordo com o que se sabe até agora, a mulher, aparentemente, estava em estado de embriaguez.


Foi no spa da vila de Taganga, em Santa Marta, onde a mulher andava sem roupas. Tudo aconteceu no fim de semana, de acordo com a mídia local. O fato não só gerou risos e olhares dos mais curiosos, mas também gerou insultos e sinais de rejeição. Policiais Nacionais uniformizados e equipes da Defesa Civil estiveram presentes no local para tirá-lo da área que, além disso, estava cheia de turistas e moradores locais.


O jornal El Heraldo, em sua nota sobre o assunto, disse que levando em conta o que foi dito pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Iván Calderón, e pela diretora do Indetur, Laura Agudelo, a mulher, supostamente, sofre de certos transtornos mentais que a teriam levado a derramar suas roupas e caminhar na praia.


"A Polícia chegou com seus parentes, e eles os protegeram, eles são do cesar, a autoridade rejeita que algumas pessoas tenham enviado esse vídeo para as redes sociais, nós avisamos que é um crime. Rejeitamos essa situação que é um abuso para essas pessoas e haverá uma investigação daqueles que ousam enviar essas imagens para as redes sociais", disse Calderon. "A partir do Distrito continuaremos muito atentos a esse tipo de situação que deve ter uma gestão cuidadosa", acrescentou Agudelo.


De acordo com o Código de Polícia, no parágrafo 33, "atos sexuais ou exibicionismo que geram aborrecimento na comunidade" e quem se enquadra nesse tipo de delito pode estar sujeito ao pagamento de multas. Este caso se assemelha ao que aconteceu em agosto de 2021, quando Ruby Macea Pacheco, de 52 anos, foi multada por ficar sem camisa em Cartagena.


De acordo com o que a mulher detalhou ao jornal El Universal, ela faz parte do Movimento Internacional Raeliano que, dentro de sua filosofia, defende os direitos humanos e condições iguais para todos. Essa organização promove uma ação chamada "GoTopless Day", ou "Topless", que convida as mulheres a viverem seus corpos livremente. De acordo com os argumentos da mulher, assim como os homens podem andar sem camisa em áreas públicas, as mulheres também devem tê-lo. "Fazemos essa ação todos os anos em todo o mundo em homenagem ao Dia da Igualdade das Mulheres", argumentou.


"Esse ano o GoTopless Day caiu em 22 de agosto, que foi no domingo, e eu estava fazendo isso com um amigo e duas outras meninas, que ainda podem ser e não tirar suas camisas se quiserem, elas estão no seu direito (...) Vamos afirmar que os artigos 13 e 43 da Constituição colombiana nos dizem que temos direitos iguais entre homens e mulheres, mas quando vamos fazer essa ação, verifica-se que há um Código que vai acima da Constituição colombiana e dos direitos humanos, e nós mulheres não podemos exercer esse direito de estar em toples". Adicionado


Ruby, punida pela autoridade por usar os seios descobertos, foi condenada a pagar, de acordo com o que está estabelecido no Código de Polícia, no artigo 33, multa no valor dos 16 salários mínimos legais vigentes, na época, ou seja, R$ 484.547. Essa infração é tipo três, e aponta para o cidadão de ter cometido "comportamentos que afetam a tranquilidade e as relações respeitosas das pessoas".